Header Ads

Image and video hosting by TinyPic

“NEM TUDO ESTÁ PERDIDO”, DIZ MORO SOBRE RELATORIA DA LAVA JATO



Durante velório do ministro Teori Zavascki, em Porto Alegre, o juiz federal Sérgio Moro elogiou a carreira do ministro morto em acidente aéreo e disse que "há uma grande desolação da magistratura"; em conversas reservadas, Moro disse, em referência à relatoria da Operação Lava Jato, que "nem tudo está perdido"; também presente no velório, Michel Temer disse que irá aguardar a redistribuição interna do Supremo Tribunal Federal sobre a relatoria da Lava Jato para indicar o substituto de Teori.
O juiz federal Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, afirmou nesse sábado, 21, que a morte do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Teori Zavascki, foi uma grande perda para a magistratura. Ele deu a declaração durante o velório de Zavascki na sede do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, em Porto Alegre. "Há uma grande desolação da magistratura, de todos que o conheciam, especialmente aqui da 4ª Região, onde ele construiu sua carreira", disse o juiz ao deixar a cerimônia. Em um breve pronunciamento, ele afirmou: "vim prestar homenagem ao ministro Teori Zavascki, já me manifestei publicamente a respeito. Acredito que, pela qualidade, relevância e importância pelos serviços que ele prestava, e a situação difícil desses processos, pela importância desses processos, ele foi um verdadeiro herói. Há uma grande desolação da magistratura, todos que o conheciam, especialmente aqui da quarta região, onde ele fez carreira profissional". De acordo com o jornal Folha de S. Paulo, em conversas reservadas, Moro disse, em referência à relatoria da Operação Lava Jato, que "nem tudo está perdido". O juiz foi cumprimentado por populares e parentes de Teori por sua atuação. Teori Zavascki foi sepultado no fim da tarde desse sábado no cemitério Jardim da Paz, após missa celebrada pelo arcebispo metropolitano de Porto Alegre, dom Jaime Spengler. Cerimônia foi acompanhada apenas por parentes e amigos íntimos do ministro e sem a presença de populares ou da imprensa.



Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.